Paz e Amor!

Paz e Amor!
O Inverno Chegou!!

sexta-feira, setembro 3

O CÉREBRO E O COLESTEROL



  
Qual o papel do colesterol no cérebro humano?


Entre 20% a 25% do colesterol total do corpo está disponível no cérebro. Esse dado é interessante, pois o cérebro representa apenas 5% da massa corporal do ser humano. No encéfalo o colesterol está presente nas membranas dos neurônios e células da glia, uma vez que é o componente majoritário da mielina, substância que reveste as fibras nervosas. O colesterol é, assim, fundamental para o desenvolvimento, reparo e funcionamento do cérebro. Pois tem sido demonstrado que ele desempenha um papel fundamental na manutenção da plasticidade neuronal (capacidade do neurônio se regenerar), no transporte das vesículas sinápticas (que armazenam os neurotransmissores) e na transmissão de informações neuromais.

O colesterol é vital para a atividade sináptica do cérebro, o que inclui memória e aprendizado, sendo a apo-E decisiva na homeostase do colesterol no cérebro, sendo um receptor com fluxos dinâmicos entre as células cerebrais; além de um importante transportador de lipídios e colesterol no ambiente encefálico extracerebral. A apo-E é , também, responsável pela mediação da troca de colesterol entre células neuronais e não neuronais.

O interesse despertados pelas relações entre o colesterol e doenças degenerativas, como doença de Alzheimer, tem impulsionado pesquisas sobre outras doenças ligadas ao cérebro, como distúrbios do comportamento e depressão.  Evidências apontam que o elo mais provável entre o colesterol e os distúrbios neurodegenerativos seja uma alteração no padrão da apo-E, pois tem sido constatado que a manifestação clínica da variante eta4 do gene apo-E, que se dá nos dois lados da barreira hematocencefálica *, está associada tanto com hipercolesterolemia e perfil pró-aterogênico, no lado cardiovascular, quanto o risco de doença de Alzheimer, no lado neurológico.

* Barreira hematoencefálica – A barreira hematoencefálica é composta de células endoteliais, que protege o cérebro de moléculas químicas e nocivas, mantendo a função metabólica normal do cérebro.

Referência:

Chaves EP, Narayanaswami V. – Apolipoprotein E and cholesterol in aging and disease in the brain. Future Lipiol. 2008;3(5):505-530.

autor do texto:Dr. Armando Miguel Jr:


Curriculum:
Graduado pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em 1975. Doutor em Medicina Interna pela Unicamp em 1989. Professor titular da Departamento de Clínica Médica da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (Puccamp) desde 1978. Professor do curso de pós-graduação da Puccamp, área de Clínica Médica desde 1997. Especialista em Cardiologia pela SBC, 1982. Linha de pesquisa: Hipertensão Sistêmica Autor do livro "Roteiro em Cardiologia", editado pelo Fundo Editorial BYK,1997.
bjs,soninha

Nenhum comentário:

Paz!