Paz e Amor!

Paz e Amor!
O Inverno Chegou!!

quinta-feira, maio 26

Pé Diabético



Sinônimos e nomes populares 
 Gangrena diabética, mal perfurante plantar, arteriopatia diabética nos pés.

 
O que é? 
 
Os problemas que aparecem na perna e, particularmente no pé dos diabéticos constituem um constante desafio à ciência e à profissão médica.
As alterações anatomopatológicas do diabete mellitus são numerosas, acometem o corpo como um todo e de várias formas, principalmente no período avançado da moléstia e na região de transição da perna ao tornozelo e no pé propriamente dito.

A neuropatia diabética e suas alterações da sensibilidade dos pés têm sido as maiores responsáveis pelo aparecimento destas lesões de difícil tratamento e de prognóstico reservado.

Normalmente, o diabético só se dá conta da lesão quando esta se encontra em estágio avançado e quase sempre com uma infecção secundária, o que torna o tratamento extremamente difícil, devido à insuficiência circulatória.



O que se sente?

- Desaparecimento ou diminuição dos reflexos do tendão, das rótulas e do calcanhar são freqüentes.

- Diminuição na sensibilidade térmica e dolorosa e áreas de anestesia são justificativa às tão freqüentes lesões.
Na verdade, o grande problema do diabético - devido à sua falta de sensibilidade - é que só se apercebe da seriedade de seu caso, quando sente o mau cheiro exalado pela gangrena diabética.



Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico é feito pela história clínica e pelo exame físico da lesão que geralmente é indolor porém extensa e de odor extremamente desagradável devido à necrose úmida que provoca.



Como é feito o tratamento?

No tratamento do pé diabético, é fundamental encarar sempre esses pacientes como casos graves, pois é imprevisível o potencial evolutivo que encerram as lesões nos diabéticos, particularmente quando se associam à polineuropatia, à vasculopatia e às infecções.

É necessário o controle rigoroso da glicemia através da dieta e de insulina ou hipoglicemiantes orais, bem como da limpeza diária e tratamento precoce das lesões - o mais imediato possível.

A cirurgia arterial direta e a simpatectomia são possibilidades que podem ser utilizadas.



Como é feita a prevenção? 


A prevenção no pé diabético é o capítulo mais importante nesta patologia: 

- o exame diário dos pés, bem como a proteção dos dedos e maléolos é a maneira mais fácil de evitar o aparecimento das tão desagradáveis e perigosas lesões;

- é necessário secar bem os pés, cortar cuidadosa e periodicamente as unhas;


- é preciso evitar a colocação de calor local, tipo bolsas de água quente e proximidade com o fogo;
 - é recomendável fazer um exame diário dos sapatos, evitando pregos ou corpos estranhos soltos no interior deles
Estas são precauções que, na maioria dos casos, evitam o aparecimento da moléstia, que, em geral, leva a amputações. 


 
Atenção! As informações  aqui contidas, não devem ser substituídas pela consulta ao médico pois somente ele poderá diagnosticar e implementar o tratamento que se faz necessário em cada caso. 

Leia, aprenda mas não se automedique, NUNCA
 
Bota Imobilizadora Foam Walker Aircast para Pé Diabético - Salvapé é indicada para segurança dos pacientes diabéticos de maior risco e estabilização da Síndrome de Charcort.

bjs,soninha

Um comentário:

Lady L disse...

Oi..... faço parte do Blogueiras Unidas e vim fazer uma visitinha! Já estou te seguindo, ok? Passa lá no DIVAS para tomarmos um cafezinho (rsrsrsrsr), ok?! http://divasciberneticas.blogspot.com/

Paz!