Paz e Amor!

Paz e Amor!
O Inverno Chegou!!

terça-feira, abril 24

O uso do viagra pode aumentar o risco de perda auditiva súbita

Segundo um estudo publicado na revista Archives of Otolaryngology-Head & Neck Surgery, os homens que tomaram Sildenafil (Viagra, Pfizer) estão mais propensos a sofrer uma perda auditiva neurosensorial súbitos.

Mais de duas dezenas de trabalhos recentes que indicam uma associação entre a perda auditiva neurosensorial súbita e os inibidores da fosfodiesterase do tipo 5 (IPDE-5). Os exemplos deste grupo incluem: 
• citrato de sildenafil (Viagra e Revatio, Pfizer),
• vardenafila (Levitra, da Bayer Pharmaceuticals, a Schering-Plough, e GlaxoSmithKline), e
• tadalafila (Cialis, da Eli Lilly). 
Em 2007, com base em cerca de 30 relatos de casos, o FDA exigiu que os fabricantes destes medicamentos alertassem os consumidores sobre a possível perda auditiva.

Alguns estudos têm avaliado mecanismo de ação para explicar a possível associação causal; no entanto exames mais aprofundados sobre a relação entre as drogas e a perda auditiva não foram realizados.

Dr. Gerald McGwin, do Department of Epidemiology, School of Public Health, University of Alabama, em Birmingham, autor do estudo comenta: "Do meu conhecimento não há, até agora, estudos epidemiológicos que tenham avaliado a associação entre o uso de IPDE-5 e a perda auditiva. Para ajudar a preencher essa lacuna na literatura atual, este estudo avalia esta relação em uma amostra populacional de homens nos Estados Unidos."

Por meio de regressão logística, o estudo comparou indivíduos com e sem perda auditiva com o uso dos inibidores de IPDE-5 antes e após o ajuste dos possíveis fatores de confusão.

A coorte era composta por 11.525 homens (113 mil toneladas de peso), com 40 anos ou mais e escolhidos a partir do levantamento Medical Expenditure Panel Survey entre 2003 e 2006.

Durante um período de dois anos, os participantes forneceram informações em cinco entrevistas sobre suas informações demográficas, saúde, posturas saudáveis e prescrição de medicamentos. Eles também não relataram nenhuma dificuldade auditiva nem o uso de aparelhos auditivos.

Os resultados mostraram que a incidência de perda auditiva foi de 17,9% – um percentual que aumentou com a idade. Aproximadamente 2% dos pacientes tinham tomado algum tipo de droga IPDE-5, sendo 80,3% deles os utilizaram sildenafil.

Os resultados não ajustados mostraram a perda auditiva foi duas vezes mais comum entre aqueles que fizeram uso de IPDE-5 (3,0% versus 1,4%); os percentuais permaneceram praticamente os mesmos após ajustes para fatores demográficos e de saúde, entre outros estudos.

• As pessoas com perda auditiva mais frequentemente usavam IPDE-5 (odds ratio [OR], 2,23, intervalo de confiança [IC] de 95%, 1,36-3,66).

• A relação entre drogas IPDE-5 e a perda auditiva se limita ao sildenafil (OR, 2,05, IC 95%, 1,23-3,43).

• Nenhuma relação significativa com a perda auditiva foi vista com tadalafila ou vardenafila (OR 1,40 [IC 95%, 0,49-4,04] e 0,88 [IC 95%, 0,35-2,22], respectivamente).

O Dr. McGwin ponderou que a relação entre o IPDE-5 e a perda de audição pode ser resultado de uma tendência das drogas que promovem o congestionamento do tecido erétil nasal, elevando a pressão no ouvido médio.

Ele escreve: "Também tem sido sugerido que os IPDE-5 podem intensificar os efeitos do óxido nítrico, que tem várias implicações em uma série de doenças otológicas – ou que estes medicamentos simulam os efeitos através da ativação do GMP-cíclico intracelular (GMPc).

O IPDE-5 funciona através do bloqueio da degradação do GMPc e sua acumulação induz a expressão gênica através dos fatores de transcrição das proteínas de fosforilação por quinases específicas, os quais têm sido associados com lesões das células ciliadas da cóclea."

Apesar de o tadalafila ter demonstrado uma fraca associação com deficiência auditiva, o aumento não foi estatisticamente significativo. O Dr. McGwin reconheceu que o limitado uso de tadalafila e vardenafila pelos participantes pode ter impedido o trabalho de encontrar sua possível associação com a deficiência auditiva.

Muitas dúvidas permanecem sobre as drogas IPDE-5 e a perda auditiva. Ainda segundo o Dr. McGwin, os resultados atuais dão provas substanciais para alertar Food and Drug Administration.

Ele escreve: "A natureza irreversível da perda auditiva e o seu impacto na qualidade de vida reforçam a necessidade de mais pesquisas sobre o papel etiológico da utilização de medicamentos IPDE-5.

Neste ínterim, é prudente que os pacientes em uso destes medicamentos, mais especificamente o sildenafil, sejam avisados sobre os sinais e sintomas de deficiência auditiva e orientados a procurar atendimento médico imediato para prevenir potencialmente os danos permanentes."

O autor do estudo relatou que o conselho o manteve como um perito em casos relacionados entre Viagra e neuropatia óptica isquêmica não arterítica. Nenhuma outra relação financeira relevante foi divulgada.
MedCenter
abçs,

Nenhum comentário:

Paz!