São João Tá Chegando Gente!

terça-feira, agosto 11

A Terceira Idade no Divã

Foto/ilustração: Rogério Cassimiro/ÉPOCA / Portal Terceira Idade 
Fonte: Revista Época

O “novo idoso”, como os especialistas chamam quem pertence a essa geração, quer conversar com alguém capaz de entender o significado do envelhecimento: o terapeuta. O movimento inédito revela uma geração que busca mudar sua vida na terceira idade. 

“O novo idoso chega aos 60 com expectativa de viver por pelo menos mais um terço da vida – e deseja fazê-lo de forma alegre, com autonomia e protagonismo1. Eles têm urgência de reinventar sua própria história”, afirma a psicóloga Ruth Gelehrter, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 

“Aos 30 anos, não era a mulher forte que sou hoje” 

Com ajuda financeira dos filhos, Maria Teresa Savi (foto), 60, procurou um terapeuta “para descobrir quem era”. Como muitas mulheres de sua geração, cresceu em família rígida, ouvindo que a trajetória de uma mulher inclui somente dois momentos importantes: casamento e maternidade. A história de Maria Teresa teve um casamento e três filhos, mas não o final feliz que ela sonhara. 

O divórcio, aos 50 anos, tampouco trouxe as respostas que esperara. Experimentou pela primeira vez a liberdade de fazer as próprias escolhas, mas não sabia como aproveitá-la – afinal, crescera obedecendo à vontade do outro. Em um ano no consultório, conquistou algo que não esperava mais da vida: confiança. “Aos 30, não era a mulher forte que sou hoje. Aprendi a dar valor ao que faço”, afirma. 

“Essa geração tem mais informação e chega à terceira idade em excelentes condições de saúde. Por isso, faz sentido buscar um novo sentido para a vida, como fez Maria Teresa e como fazem quatro em cada dez pacientes da terapia”, diz Maria Cecília Minayo, socióloga da Fiocruz. 

“Novos idosos” no divã

Para melhor desfrutar esse momento, outras questões são tratadas pelos “novos idosos” no divã: como lidar com a aposentadoria, as limitações que o avanço da idade impõe – e a possibilidade de ter que depender de alguém –, as mudanças na aparência, o convívio familiar e a vida sexual. Os pacientes têm dúvidas a que nem a família nem os amigos podem responder. “O idoso é amado e respeitado, mas não é ouvido”, diz o psicólogo Fernando Genaro, pioneiro de um serviço público de atendimento psicológico ao idoso num centro de saúde na Zona Norte de São Paulo. 

“Encarar o novo ou confrontar o passado significa assumir para si mesmo que é preciso mudar. Isso nunca foi fácil em idade nenhuma. Começar aos 60 anos, segundo os terapeutas, tem uma vantagem fundamental: quem entra num consultório nessa idade não tem mais tempo a perder”, enfatiza Walcyr Carrasco, escritor, dramaturgo e autor de telenovelas brasileiro.

1Protagonismo: (do Dicionário Aulete) Qualidade de quem exerce papel de destaque em qualquer acontecimento.

Jornalista, formada pela Unimar e autora do livro ‘Vivendo’, 
é colunista convidada do Portal Terceira Idade

Nenhum comentário:

Paz!