Alegrai-vos no Senhor!

quarta-feira, maio 25

“Sou igual bicicleta, se parar cai, então não vou parar”, afirma a aposentada, hoje modelo, Eterna Dias, 71


Até pouco tempo atrás, pessoas mais velhas perdiam espaço no mercado de trabalho para os jovens. Mas alguns patrões começaram a mudar essa regra para aproveitar melhor a energia e a experiência dos profissionais. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), dos 15 milhões de idosos no Brasil, 4,5 milhões estão no mercado de trabalho. 

Acordando antes do despertador tocar 

Vianelo Coelho Da Silva é um exemplo desta mudança de paradigma. Aos 94* anos, de segunda a sábado ele está sempre fiscalizando o conserto das estradas em Nerópolis, a 30 quilômetros de Goiânia (GO). Ele sempre se levanta bem cedinho, antes do despertador. “Agora eu quero aproveitar a vida. Não está certo?”, afirma, contente, Vianelo. 

‘Ligado no 220’ 

Até pouco tempo atrás a regra era essa: a pessoa envelhecia, se aposentava e ficava em casa. E aí toda experiência profissional adquirida ao longo dos anos já não tinha mais nenhuma utilidade. E foi justamente pensando em toda essa experiência que estava sendo desperdiçada que uma rede de supermercados, onde 20% do quadro de funcionários já tem idade pra parar de trabalhar, decidiu contratar idosos. 

Entre eles, está o eletricista Vicente Goes Nogueira, com seus quase 71 anos completos. Questionado sobre sua boa disposição, ele brinca: “Sou ‘ligado no 220’, nunca desligo”. 

“A introdução do idoso na cadeia produtiva melhorou o desempenho em atendimento e no relacionamento com o consumidor”, diz Tiago Damasceno, diretor de marketing da rede. 

Batom, lápis nos olhos e poses, muitas poses 

Outro exemplo de quem não quer parar é Eterna Dias. Aos 71 anos, aposentada e com filhos criados, ela descobriu que não queria ficar em casa. Virou modelo. “Nós não estamos mais na época que a vovó ficava na porta fazendo crochê, conversando com as colegas. Eu sempre falo para o meu pessoal, sou igual  bicicleta, se parar cai, então não vou parar”, conta a modelo.

Assista à reportagem completa clicando no vídeo acima.

Por: Caroline Fernandes Mussato
Jornalista, formada pela Unimar e autora do livro ‘Vivendo’, é colunista convidada do Portal Terceira Idade

Vídeo: G1 / divulgação 
*Nota: No vídeo, a legenda apresenta a idade do entrevistado Vianelo Coelho Da Silva como sendo de 98 anos – a idade correta é 94.

*Não pare...vá em frente, firme e forte!!*

Nenhum comentário:

Paz!