Paz e Amor!

Paz e Amor!
O Inverno Chegou!!

segunda-feira, outubro 14

Infecção Urinária na Terceira Idade


A infecção urinária ou pielonefrite é muito freqüente na terceira idade, sendo mais comum entre as mulheres. Pode ser acompanhada de infecção da bexiga ou cistite.

Na mulher a incontinência urinária devido ao enfraquecimento da musculatura da pélvis (que ocorre em mulheres que tiveram muitos partos vaginais) e a alteração da flora vaginal devida a mudanças hormonais são as principais causas que favorecem a infecção.

No homem, a principal causa da retenção urinária se dá devido ao aumento da próstata. Vale dizer que a infecção se agrava quanto maior for o tempo de permanência da sonda urinária. É a principal causa de uretrite.

Na cistite a infecção se restringe à bexiga, sendo também mais comum entre as mulheres.

A uretra, o canal que leva a urina da bexiga para o exterior, é muito curta na mulher permitindo maior facilidade para a entrada de bactérias da região da vagina que naturalmente é infectada devida a proximidade do ânus.

A cistite pode ocorrer também devida a um processo inflamatório ou a um traumatismo.

O microtrauma provocado pela relação sexual e a "bexiga caída" devida ao enfraquecimento da musculatura da região são exemplos de fatores que favorecem à cistite. A higiene correta é fundamental na profilaxia da cistite.

As infecções em geral se devem a bactérias, mas pode ser devida a vírus e a fungos.

Dor para urinar e aumento na sua freqüência, febre e dores abdominais são os sintomas principais da pielonefrite e também da cistite.

Pode haver mudança na cor da urina devida a presença de sangue. No idoso são comuns as infecções urinárias assintomáticas , sendo que nestes casos o diagnóstico é feito somente pelo exame da urina.

O exame de urina com cultura é o exame que fornece o diagnóstico. A presença de bactérias é frequente na mulher idosa, no homem com aumento da próstata, no diabetes e em pessoas hospitalizadas.

O tratamento deve ser feito em todos os casos que apresentem sintomas e nas pessoas sem sintomas mas com exame de urina que indique infecção. Pessoas que apresentam riscos de infecção, como o diabético, por exemplo, devem realizar controle com regularidade através de exame de urina.

Em nosso meio é frequente não se valorizar os sintomas urinários, utilizando-se com freqüência medicações caseiras ou automedicação. É aconselhável sempre a realização de exame de urina quando diante de manifestações urinárias, evitando-se a medicação incorreta ou desnecessária.

Um comentário:

Arlete Mourige disse...

Oi Soninha!! Muito esclarecedor este post.Agradeço por compartilhar.Bjs

Paz!