Alegrai-vos no Senhor!

domingo, abril 26

Idosos estão a utilizar cada vez mais as redes sociais


Quem julga que a tecnologia é uma modernice que assusta os idosos não faz ideia de que o estereótipo é só virtual.

Serve para juntar famílias ou descobrir amigos em qualquer idade.

José Antunes tem 71 anos e sempre rejeitou “estas modernices” que surgem a uma velocidade louca. Facebook, Twitter, Skype ou Instagram faziam parte destas “modernices” de que fugiu até ao momento de o filho emigrar. E foi então que tudo mudou. Mas não de um instante para o outro. “No início não foi nada fácil, sentia que todos aprendiam menos eu, mas lá consegui, com a ajuda dos meus netos.” Agora tem conta no Facebook, no Twitter e contacto quase permanente com o filho: “Isto é um vício tremendo”, admite José, que usa as redes sociais para jogar, partilhar vídeos e músicas. E também para Rosa, a sua mulher, publicar fotos do cão Tobias e não perder o contacto com amigos e família.


Maria dos Anjos, 69 anos, vive sozinha, na cidade do Porto, e foi também quando as netas partiram para os Estados Unidos num programa de intercâmbio que decidiu juntar-se ao clube Facebook: “Consigo acompanhar a aventura das minhas netas e falar muitas vezes com elas, embora nem sempre seja fácil com o fuso horário.” Uma vez rendida, descobriu também amigos de juventude e ainda que é possível organizar reencontros sem fazer sequer uma chamada. Basta um computador ligado à net e, claro, o Facebook.

“Mãe, isto é feito por americanos, logo tem de ser muito simples.” Foi com este argumento que a filha convenceu a escritora Alice Vieira a utilizar o computador. A entrada na era digital aconteceu há “uns bons anos”, e portanto do computador para o Facebook foi “um processo normal”. Tão normal que aos 72 anos é bastante activa nas redes sociais e nem sequer houve resistência a entrar nas redes sociais.

Será que temos aqui três aves raras ou, ao contrário do que se diz por aí, idosos e redes sociais são da mesma geração? Nem uma nem outra hipótese estão certas, defende o sociólogo Manuel Villaverde Cabral. O que acontece é que esta nova geração de seniores não é a mesma de há 20 ou 30 anos. “É necessário ter em conta que os 60 anos de hoje não representam os de há 20 anos e apelidar de terceira idade as pessoas com mais de 65 anos começa cada vez mais a deixar de fazer sentido porque vivemos mais tempo e com mais qualidade.”


Para o sociólogo a presença dos idosos vem na sequência das mudanças do seu próprio envelhecimento. A partir do momento em que os trabalhos industriais perdem peso, os escritórios, por outro lado, ganham. “A diferença entre mais velhos e mais novos vem a diminuir mais por substituição de gerações do que por os velhos entrarem propriamente no circuito. As redes sociais em concreto servem essencialmente para comunicar, pois trata-se de um impulso natural.”

E foi por uma espécie de “impulso natural” que António e Manuela se ligaram às redes sociais. Estão casados há 35 anos, não têm filhos e sempre tiveram aptidão para computadores e redes sociais. Agora estão a gozar a reforma e, como a maioria dos amigos não vive em Portugal, passam boa parte do tempo a viajar pelo mundo. Não prescindem portanto do Facebook, onde criaram um grupo com os amigos das viagens. “Sempre fomos dados às novas tecnologias e o Facebook foi maravilhoso para mantermos o contacto com as pessoas que vamos conhecendo pelo mundo inteiro”, conta Manuela, de 70 anos. “Criamos um grupo privado porque todos os anos nos reunimos em algum sítio”, acrescenta o António Neves, de 72 anos.


O quintal da Alice O Facebook é uma espécie de “quintal” de Alice Vieira, onde se partilham textos e músicas e que com o tempo foi ficando mais seletivo: “Tenho muitos amigos e seguidores porque antes aceitava tudo.” Agora já não. Crianças, “amigos” não identificados ou pedidos de trabalho são à partida rejeitados: “Não aceito porque não é trabalho e eu uso as redes sociais para me divertir.”

Facebook e blogues é do que gosta e já aprendeu a distinguir os benefícios e as desvantagens: “As redes dependem da utilização que fazemos delas.” Há sempre o risco de as muitas horas passadas frente ao monitor virarem um vício, mas também há mais amigos que surgem e não são apenas virtuais. De resto, é só saber tirar partido do poder que se tem na ponta dos dedos: “Houve uma altura por exemplo em que por causa de um livro que estava a escrever precisava de ir a Porto Santo.” Não conhecia ninguém nem tinha onde ficar: “Pedi ajuda no Facebook.” E foi assim que conseguiu ter anfitriões, visitas guiadas, casa e mesa à sua espera. “É um fator de aproximação das pessoas e isso é o que mais valorizo nas redes sociais.”


O exemplo de Alice Vieira não é o exemplo de Júlio Isidro. O apresentador de televisão é dois anos mais novo que a escritora, mas isso não bastou para derrubar as resistências iniciais: “Tenho Facebook há cerca de um ano. Comecei a usar com a ajuda das minhas filhas por causa de um texto que escrevi e que se tornou viral na rede.”

Ainda assim, não soltou a rédea de imediato e ainda hoje impõe limitações e regras a si próprio: “Não digo coisas da intimidade banal mas sim intelectual. Tenho uma página pessoal e uma profissional onde só falo das coisas que acho que devo partilhar. Seria incapaz de publicar a foto de um prato de comida”, avisa.

Não vê o Facebook como lazer mas sim como trabalho, pois usa-o mais “como um meio de comunicação”. Mas será que fazer parte do clube não só traz amigos mas também diminui a distância entre as gerações? Júlio Isidro acha que não. Ou pelo menos não é o caso dele. “Eu até estou admirado porque no Facebook uma das minhas amigas já tem 96 anos e escreve coisas muito ajuizadas. Sabe, eu vejo a juventude das pessoas pelo que escrevem e não pela sua idade”, remata.


Há quem tenha o Facebook e não o use sequer, como acontece com o escritor Mário Zambujal. Não é por se sentir velho, avisa. A página foi aberta pela editora para promover a interação com os leitores, mas a experiência nem sempre correu bem: “Tenho algumas reservas porque há coisas que são desagradáveis – criam isolamento. São manias minhas, mas reconheço que é uma forma de quebrar a solidão.”


Nenhum comentário:

Paz!